sandra aka margarete ~ acknowledgeyourself@gmail.com

Uma árvore é uma obra de arte quando recriada em si mesma como conceito para ser metáfora *

banalidades, tardes de Sábado


Arrebatada fito celebrada
atmosfera uma estrela cadente
oh, mais linda dos meus dias
(a regalia de ver)

à mão afigura-se neste colo
porção suficiente de artifícios
espaço imenso daqui degluto
mímicas do romantismo faço
enlaço reinvento à vista
narro brinquedos de fortuna
noite vela gato porcelana
orquídea amor lã árvore
caramelo-baunilha poema raiz.


Photo de Carlos Veríssimo - [da fantasia] Abraça-me III

dedicado


* título de instalação de Alberto Carneiro
(lido no Jornal de Letras nº 972, única refª encontrada na Internet)

som -> Nina Simone, Everyone's gone to the moon

6 comentários:

menina alice disse...

E receber isto assim mal se acorda!

***

fátima feliciano disse...

"e receber isto assim mal se acorda", bem se acorda, mais ou menos se acorda...receber isto torna o dia mais dia, a noite mais mágica e amanhã ... quero ver-te muito breve
ff

nuno disse...

poema raiz, na mão, metáfora. metapoema.

(a regalia de ver:))

blue disse...

Alberto Carneiro foi meu professor de Desenho, em 1985. Um dia, levou um grupo de alunos ao casino da Póvoa ver o Mstislav Rostropovich. Trazia no carro um pedaço de um carvalho e o carro cheirava a floresta.
(um abraço, é o que é, este teu post)

margarete disse...

abracinhos :)

Scarlata disse...

olha o meu comentario de ontem nao ficou... ;(

Tinha dito que tinha gostado muito. ;)