sandra aka margarete ~ acknowledgeyourself@gmail.com

ao longo do dia, peles desnudas e respectivos odoríferos

Agora, de tarde, não temos sono.
Cheiramos à manhã que já protelou e arrogamos que pouco disto é tal como as intenções.
Os pescoços deram lugar às peles.
Não classifico, portanto, este órgão que anda de rompante em nós - entre bálsamos, aromas, perfumes e fragrâncias - exalações impertinentes de restos do dia. Os odores das peles haveriam de ser instrumentos legislados.
Agora, de tarde, acordados no nariz não temos sono, temos pressa no regresso.

2 comentários:

Hugo Besteiro disse...

a citação foi naquele blog das meninas cachopas e gajas não foi?

eu sou um cidadão do mundo.. dos blogs.. ando por aí, aqui e acolá a absorver letras e riscos..

deixei um retrato teu no pescada e no meu blog intuitos :) o prof ontem não copiou aquela que era a primeira foto..

no pescada deixei um título manhoso.. o verdadeiro título da obra é Black woman and a tree :D

menina alice disse...

sempre a pele. com a pele tiras-me sempre palavras porque estamos empatadas nisso de a pele ser prioritária.