sandra aka margarete ~ acknowledgeyourself@gmail.com

peças soltas

não sei se tenho algo para dizer


tenho sempre qualquer coisa para dizer

saudades da pequena S., da vozinha dela, dos seus beijos espontâneos, mesmo mesmo, tenho saudades das suas gargalhadas, da sua alegria


o que são estes relatos?

peças soltas


faço poucas promessas

comprei a blusa que fará o meu Verão


estar com a C. é sempre revitalizante

o Porto é daquelas coisas boas


não, o Rufus Wainwright não é monótono, está ali a cantar só para mim e alegra-me

as saudades da S. e do Z. estão quase a ser assassinadas


eu juro que mantenho a minha intenção de fazer o tal bolo de chocolate

eu nunca juro


queria que fosse Verão de vestido e sandálias, por aí, sem rumo

é Primavera de saia e gola alta, por aí, a fazer o que vou sabendo


comi batatas fritas por 3 refeições seguidas e o meu corpo reclamou

o meu corpo reclama-me


se ainda não ouviram o Rufus, façam o favor de ouvir

continuo a ler A Ilha dos Condenados à velocidade de máximo 10 páginas por dia


faz-me falta um poeta qualquer que não estou a conseguir dizer quem é

nada de novo a dizer: piano, letras, sorrisos e afins


não, eu não sabia, não dei conta, é assim, eu fiquei assim, mas acredito nas voltas que dou
nunca me fui embora

estou sempre a partir

olé! cá estamos!

: )

1 comentário:

Luís disse...

Bom regresso, de escrita solta. Faz falta um poeta que não sei. Quase sempre. (tenta Rui Pires Cabral, Pedro Mexia, A Franco Alexandre, Ana Cristina César)
Prá frente com as sandálias.:)